quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Ábaco – Construindo noção de número inteiro e realizando adição e subtração








O ábaco é um antigo instrumento de cálculo, formado por uma moldura com bastões ou arames paralelos, dispostos no sentido vertical.

Material:
Reciclado,usamos o isopor que vem protegendo eletrodomésticos.
Palitos de churrasco
canudos ou massa de macarrão colorida.
Papel + hidrocor + cola de isopor.
Tinta guache

A turma gostou, jogamos nunca 10, assim entendemos que no grupo das unidade só podemos ter 9 canudinhos e no grupo das dezenas, centenas... também.

Abç

Influência da mídia na formação da criança -2º e 3º ano.





Eu e a Pró Valda, trabalhamos juntas, fomos para essa aula munidas de 2 curtas - um falando sobre os direitos das crianças e o outro sobre a mídia e as outras opções de lazer(Indicados pela Pró Sandra).

Iniciamos a discussão com os DIREITOS DAS CRIANÇAS e provocações como:

Vamos pensar no que gostamos de fazer... e assistir?
Vocês acham que tem direito a uma programação interessante na TV?
Qual o personagem da TV que você mais gosta?
Quais as característica desse personagem (Engraçado,malvado,desonesto, justo,amigo, mal educado,feliz,respeitador,bondoso, violento...).
Quantas horas por dia você assiste TV?
Quais atividades legais que você poderia fazer se não estivesse vendo TV?
Surgiram muitas outras perguntas que eles fizeram uns aos outros.Nós também fizemos um paralelo de como era nosso dia quando tinhamos a idade deles.
Essa etapa “assistir uma curta” não foi a primeira, nós desenvolvemos o tema no decorrer do bimestre,mas essa foi muito significativa, por que eles tiveram que reavaliar o perfil dos personagens e puderam trocar informações sobre brincadeiras e jogos .
Site legal: Fonte: http://www.desligueatv.org.br/
http://br.youtube.com/watch?v=AzwuEuoRf9s

terça-feira, 28 de outubro de 2008

O vestido azul


O vestido azul
Num bairro pobre de uma cidade distante, morava uma garotinha muito bonita. Ela freqüentava a escola local. Sua mãe não tinha muito cuidado e a criança quase sempre se apresentava suja. Suas roupas eram muito velhas e maltratadas. O professor ficou penalizado com a situação da menina. - "Como é que uma menina tão bonita, pode vir para a escola tão mal arrumada?" Separou algum dinheiro do seu salário e, embora com dificuldade, resolveu lhe comprar um vestido novo. Ela ficou linda no vestido azul. Quando a mãe viu a filha naquele lindo vestido azul, sentiu que era lamentável que sua filha, vestindo aquele traje novo, fosse tão suja para a escola. Por isso, passou a lhe dar banho todos os dias, pentear seus cabelos, cortar suas unhas... Quando acabou a semana, o pai falou: - "Mulher, você não acha uma vergonha que nossa filha, sendo tão bonita e bem arrumada, more em um lugar como este, caindo aos pedaços? Que tal você ajeitar a casa? Nas horas vagas, eu vou dar uma pintura nas paredes, consertar a cerca plantar um jardim." Logo mais, a casa se destacava na pequena vila pela beleza das flores que enchiam o jardim, e o cuidado em todos os detalhes. Os vizinhos ficaram envergonhados por morar em barracos feio se resolveram também arrumar as suas casas, plantar flores, usar pintura e criatividade. Em pouco tempo, o bairro todo estava transformado. Um homem, que acompanhava os esforços e as lutas daquela gente, pensou que eles bem mereciam um auxílio das autoridades. Foi ao prefeito expor suas idéias e saiu de lá com autorização para formar uma comissão para estudar os melhoramentos que seriam necessários ao bairro.
A rua, de barro e lama, foi substituída por asfalto e calçadas de pedra.
Os esgotos a céu aberto foram canalizados e o bairro ganhou ares de cidadania. E tudo começou com um vestido azul...

As vezes só precisamos fazer a nossa parte! Cássia Virgens

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Natal agora e sempre...


Acredito que solidariedade não se demonstra só nessa data, mas já que as pessoas estão sensíveis vamos lá:

Inclui quatro momentos no meu plano de aula (para a próxima quinzena-Em dias alternados)

1º Momento: Discutir com a turma o Natal, quanto simbologia e representação.
Elaboração de um relato intitulado: Seu melhor Natal (Quando? Como? Com quem? Porque?).

2º Momento: Leitura dos relatos (Opcional)
A partir do relato daqueles que quiseram ler e da discussão em torno deles, refletir sobre as diferenças do Natal (De cada um e dos outros).
Provocações: Será que todo mundo tem NATAL? O que Natal para mim é para... Meninos de rua, crianças de um orfanato...

3º Momento: Leitura coletiva-A pequena vendedora de fósforos.
Discussão e reflexão.
Vamos convidar um adulto da família para a leitura do texto.

4º Momento: Campanhas de Natal: vamos nos engajar.
Ler com eles as campanhas criadas ou mantidas todos os ano pelos correios...
Cada um vai convidar um adulto de sua família para abraçar uma dessas iniciativas?
Compromisso de participar de uma campanha e...

Algumas versões da história :A PEQUENA VENDEDORA DE FÓSFOROS
http://www.cantinhojulia.com/Apequenavendedora.htm
http://br.geocities.com/fprmsg500/Grupo068/Msg682.htm

domingo, 26 de outubro de 2008

Educação inclusiva na Educação Infantil


Tema: Educação inclusiva na Educação Infantil
Palestrantes: Nelma de Cássia Silva S. Galvão – Psicóloga / Doutoranda em Educação
Ligia Viegas Mortadas – Mestre e Doutora em Psicologia
Dia: 24/10/2008 Horário: 14:00h Local: ISBA

Na sexta-feira, 24/10/08, fui ao ISBA para: Ciranda "Educação inclusiva na educação infantil”, evento organizado pelo FBEI (Fórum Baiano de Educação Infantil), gostei das palestras e dos relatos das ministrantes, ambas Psicólogas.
Não tenho como descrever as palestras na integra, até para não deixar que meu entendimento fale por elas, mas vou citar pontos que me despertaram atenção.

Nelma de Cássia Silva S. Galvão
Defendeu com muita propriedade, a necessidade da educação especial articulada com o currículo comum e não fora dele.
Também chamou atenção para o ensino de LIBRAS, que será incluído no currículo de Pedagogia.

Ligia Viegas Mortadas

Trouxe para nós algumas provocações, entre elas a diferença entre IGUALDADE E HOMOGENEIDADE. Igualdade como sendo respeito às diferenças.

Outra observação foi quanto à frase: QUASE TODAS AS CRIANÇAS ESTÃO MATRICULADAS NA ESCOLA, comparada à frase: NEM TODAS AS CRIANÇAS ESTÃO NA ESCOLA. (Não precisa dizer mais nada).

Ligia também chamou á atenção para a diferença entre:
Exclusão da escola: Crianças sem acesso as vagas ou que evadiram.
Exclusão na escola: Crianças que estão na escola, mas não se beneficiam dela.
Daí em diante ela trouxe:
• Exemplo de quem é facilmente excluído: Portadores de deficiência, obesos, “feios”, esquisitos, crianças negras...
• Quem tem real interesse no olhar biologizante para realidade educacional? E citou o livro de Collares, Cecília A.L. e Moysés, M. Aparecida A. Preconceitos no cotidiano escolar: Ensino e medicalização. São Paulo, Cortez, 1996.
• Falou sobre a história da dislexia.
• Trouxe tirinha de QUINO.
• Indicou o vídeo de Thomas Szasz no YOU TUBE, que fala sobre o efeito nocivo de medicamentos nas crianças.
Tem diversos vídeos, segue o link de um deles.
http://br.youtube.com/watch?v=uE0mysIHvvg
Ligia ainda deixou uma provocação para nós educadores:
É fácil diferenciar um mal alfabetizado de um disléxico?

Ela não negou as doenças que hoje enchem os consultórios de Psicólogos, Psicopedagogos e..., o que foi questionado foram os excessos.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Fenômeno de bullying


Fenômeno de bullying

A partir da leitura de uma revista voltada para educação, intitulada “O fenômeno de Bullying nas relações interpessoais”, tive acesso a informações interessante sobre esse fenômeno que passa despercebida no nosso dia a dia. O interessante é que nos deparamos constantemente com situações desse tipo, principalmente no ensino fundamental I e II, mas com ocorrências na educação infantil. O bullying pode causar o suicídio de uma criança ou adolescente em geral do individuo que sofre ou pode gerar um ciclo sem fim, onde o aluno que passa por esse tipo de situação adota um comportamento semelhante com outros, ao perceber a impunidade com que é tratada a ação dos praticantes. Precisamos de ouvidos e olhos atentos para esse tipo de abuso que muitas vezes começa por uma brincadeira, mas não deve passar dos limites. Aspectos como: tolerância, a cidadania e o respeito pela fala, aparência e posicionamento do outro devem ser discutidos exaustivamente, dentro e fora da escola, não é preciso compactuar com o outro, mas respeito é fundamental para uma convivência saudável.
Cássia Virgens

Abaixo, trechos do artigo:
(...)
Fenômeno de bullying é (...) um conjunto de atitudes agressivas, repetitivas e sem motivação aparente perpretadas por um aluno – ou grupo – contra outro, causando sofrimento e angustia; através do “isolamento intencional, dos apelidos inconvenientes, da amplificação dos defeitos estéticos, do amedrontamento, das gozações que magoam e constrangem, chegando à extorsão de bens pessoais, imposições físicas para obter vantagens, passando pelo racismo e pala homofobia, sendo ‘culpa’ dos alvos das agressões, geralmente, o simples fato de serem ‘diferentes’, fugirem dos padrões comuns à turma - o gordinho, o calado, o mais estudioso, o mais pobre” (...).
(CONSTRUIRNOTÍCIAS Editorial)

O que é bullying?

O termo bullying compreende todas as formas de atitude agressivas, intencionais e repetidas que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro (s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder. Portanto, os atos repetidos entre iguais (estudantes) e o desequilíbrio de poder são características essenciais que tornam possível a intimidação da vitima.
Por não existir uma palavra na língua portuguesa capaz de expressar todas as situações de bullying possíveis, segue uma lista de ações que podem estar presentes:
Colocar apelidos
Ofender
Zoar
Gozar
Encarnar
Sacanea
Humilhar
Fazer sofre
Discriminar
Excluir
Isolar
Ignorar
Intimidar
Perseguir
Assediar
Aterroriza
Amedrontar
Tiranizar
Dominar
Agredir
Chutar
Empurrar
Ferir
Roubar

Fontes:
CONSTRUIRNOTÍCIAS, Nº40-ANO07-MAIO/JUNHO 2008, O fenômeno de Bullying nas relações interpessoais.
Revista profissão Mestre. Ano 9.nº99.dezembro/2007. Bullying, o crime do desamor. Gabriel Chalita. p27

terça-feira, 21 de outubro de 2008

BALÉ DA COMUNIDADE



Na semana da Criança o BALÉ DA COMUNIDADE, fez uma apresentação linda e gratuita. Os alunos gostaram muito. A apresentação foi para toda escola-Educação Infantil, Fundamental I e II e o ensino médio. Eu fique tão encanta que resolvi divulgar o trabalho deles.
Eles fazem apresentações temáticas e solicitam apenas 1K de alimento não perecível para doação.
Contato: 071-87379505/99530220 e 32383183 procurar Edson.
Vale a pena assistir! Para melhorar fazem um trabalho de inclusão, no elenco tem crianças com deficiência.

Desfile da primavera - O jardim




Fizemos um painel de 3 m, coletivo com tudo que há em um jardim, até mesmo os formigueiros e usamos chapéus de copo de iogurte com bichinhos. No centro do painel escrevemos a poesia de Cecília Meireles, a baixa:

“Leilão de jardim” de Cecília Meireles
Quem me compra um jardim com flores?
Borboletas de muitas cores,
lavadeiras e passarinhos,
ovos verdes e azuis nos ninhos?
Quem me compra este caracol?
Quem me compra um raio de sol?
Um lagarto entre o muro e a hera,
uma estátua da Primavera?
Quem me compra este formigueiro?
E este sapo, que é jardineiro?
E a cigarra e a sua canção?
E o grilinho dentro do chão?
(Este é o meu leilão.)
Cecília Meireles

Simples e bonito -Enfeites e presentes





sábado, 18 de outubro de 2008

Trabalhando com situação problema -grupo 5



O painel tem como finalidade atribuir sentido aos problemas matemáticos, desenvolvidos com o grupo.
A pró Sandra construiu o painel e fixou na sala.
Elaborou algumas histórias sobre os personagens do painel e contou no decorrer da semana.
Na semana seguinte, desenvolveu a partir das curiosidades da turma problemas envolvendo cálculos simples.
E foi um sucesso.
É isso ai!

Dobraduras de Peixe -Pró Adélia e Pró Camila.



quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Guirlanda de Natal




http://www.artesanatodenatal.com/guirlanda-de-natal/guirlanda-de-latinhas.html
Material necessário:
- juta
- 13 latas tingidas com spray dourado
- 1,20 m de arame
- bastidor
- fita de juta vermelha
- abridor de latas
- alicate de bico
- martelo
- tinta spray nas cores verde e dourado
Modo de preparo:
Com o abridor, faça um furo em cada lado da latinha.
Repita a operação em todas as latas.
Tire os lacres.
Passe o arame entre os buracos das 13 latas.
Depois, torça e amasse as latas com o martelo.
Tome muito cuidado para não machucar as mãos.
Pronto! Agora acerte as latas sobre o bastidor, tomando cuidado para que a parte do fundo fique para cima.
Deixe um espaço de 0,5 cm entre as latas, amarre o arame e faça uma argola. Ela vai servir para pendurar a guirlanda depois.
Corte 4 tirinhas de juta e amarre em cima, embaixo e dos lados para juntar o arame ao bastidor.
Forre a mesa, coloque luvas e dê algumas espirradas de spray verde nas latinhas.
Deixe secar por 30 min.
Enquanto isso, faça um quadrado com a juta de 50 cm x 50 cm.
Dobre em quatro e corte um círculo de 7,5 cm.
Arredonde os 4 cantos da juta.
Com as latas secas, chegou a hora de finalizar a guirlanda. Coloque-a em cima da juta.
Faça cortes no tecido entre todas as latas, na parte externa e também na interna.
Corte tirinhas de juta, passe entre as latas e dê nó.
Na emenda do arame, passe duas tirinhas para o acabamento ficar bem legal.
Com o bico da tesoura, desfie as pontas da juta.
Pegue a fita vermelha e passe entre as latas, sem cortar.
Para a guirlanda ficar bem bonita, faça um laço e coloque na parte de cima.
Fica um enfeite bem rústico.
Artesã Cecília Macedo.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

IMPORTÂNCIA DO FLÚOR


Para evitar a cárie é preciso remover a placa bacteriana com a escovação correta e uso do fio dental, além de evitar o consumo freqüente de açúcar. Mas um fator importantíssimo é a aplicação do flúor, uma substância que deixa a superfície do dente (esmalte) mais forte, protegendo-a contra os ataques ácidos da placa bacteriana que provocam as cárie.

Existem várias formas de uso do flúor, porém as mais indicadas atualmente são:
Flúor na saliva através dos alimentos;
Flúor depositado no abastecimento de água nas cidades;
Aplicação do verniz protetor;
Pastas de dente com flúor;
Bochechos (diários ou semanais);
Aplicação tópica pelo dentista (flúor em gel);

Vantagens do uso do flúor:
Fortalecimento do esmalte do dente, inibindo a desmineralização do dente (enfraquecimento que começa superficialmente podendo se aprofundar);
Diminuição do número e do potencial de microorganismos bucais como o causador da cárie (Streptococcus mutans);
Favorece a remineralização dos dentes enfraquecidos recuperando a sua resistência.
http://prevencao.odo.br
O principal cuidado deve ser com a não ingestão do Flúor, pois dessa forma pode haver excesso (Fluorose - manchas escuras e descalcificação), visto que ele não é eliminado pelo organismo, portanto, cuidado com os bochechos diários e ingestão de creme dental com flúor, principalmente em crianças. Quanto ao uso tópico, feito em consultório, não há contra-indicação. http://www.anadentista.com.br/si/site

Imagens: http://picasaweb.google.com.br/pedagoga.vivi/HigieneESaDe#

Termas de Puritama - Chile

Relaxante  Um oásis no deserto! Não aceita cartão, então leve dinheiro para pagar a entrada em Puritama (Adulto CLP15000 pesos e cr...